Influência da obesidade na gravidez na vida futura da criança

Por Gizele Monteiro – Personal gestante

Qual será a influência da obesidade na gravidez na vida futura da criança?

Qual será o papel do ambiente pré-natal no desenvolvimento da obesidade do bebê e da vida futura da criança?

Bebe no utero
Bebe no utero

Constatar que a vida no uterina – com formação e crescimento do bebê – é um período crítico para o desenvolvimento da obesidade da criança pode concentrar os esforços de pesquisa básica e clínica de prevenção neste período.

Um estudo de revisão mostra as evidências de que o ambiente intra-uterino influencia o risco de obesidade na vida futura da criança e jovem e considera os mecanismos pelos quais isso pode ocorrer. A associação entre peso ao nascer e peso adulto sugere que existem efeitos duradouros do ambiente intra-uterino sobre o risco de obesidade mais tarde. O estudo examinou se os fatores maternos de diabetes , obesidade e ganho de peso na gravidez alteram o ambiente intra-uterino e, assim, aumentar o risco de obesidade mais tarde na prole. Dos fatores maternos, o diabetes gestacional foi o fator mais forte.

Não existe apenas um mecanismo dos fatores maternos que podem mudar o ambiente intra-uterino para aumentar o risco de obesidade, sendo que todos os mecanismos possíveis envolvem uma transferência alterada de substratos metabólicos entre a mãe e o feto, o que pode influenciar a estrutura em desenvolvimento ou a função dos órgãos envolvidos no metabolismo energético.

Um outro estudo investigou  os efeitos do diabetes gestacional sobre o peso ao nascer e a obesidade na adolescência. O maior peso ao nascer previu o aumento do risco de excesso de peso na adolescência. Nascer de uma mãe com diabetes gestacional também foi associado com o aumento do excesso de peso na adolescência. No entanto, o efeito da GDM sobre obesidade prole parecia apenas parcialmente explicada por sua influência sobre o peso ao nascer e a correção do IMC da mãe atenua as associações com o diabetes gestacional. O resultado do estudo mostra um papel casual modesto do metabolismo da glicose materno-fetal alterado na formação da obesidade no bebê. Alternativamente, pode programar o GDM risco para um insulto pós-natal que conduz à obesidade, ou pode ser simplesmente um marcador de risco, não a ligação causal.

 

Referências:

Whitaker, RC & Dietz, WH (1998). Role of the prenatal environment in the development of obesity. J. Pediatr., 132(5):768-76.

Gillman, MW et al (2003). Maternal gestational diabetes, birth weight, and adolescent obesity. Pediatrics, 111(3): e221-6.

Gizele Monteiro

Gizele Monteiro

É a maior especialista em Diástase e recuperação da barriga.
Criadora dos Programas Online Mães Sem Diástase e Gravidez Sem Diástase, já ajudou mais de 15 mil mulheres a conquistarem o sonho de ter a barriga reta, reverter a diástase sem cirurgia, sem remédio, sem tratamentos estéticos...

Gizele Monteiro

Consultora de celebridades e programas de TV.  Se tornou especialista em diástase e recuperação da barriga após a gravidez. Há 20 anos atuando e estudando sobre o controle de peso na gravidez e na volta do corpo da mulher após a maternidade. Fez mestrado na UNIFESP sendo pioneira e referência sobre Exercícios para Mães e Recuperação do corpo após a maternidade no Brasil e na Europa

Conheça Nossa Página

Canal do Youtube

Descubra Como Ter a Barriga Reta Após a Gravidez

Teste da Diástase: Veja como fazer!

Faça o Teste e Descubra se Você tem Diástase

Descubra Como Evitar a Diástase na Gravidez Com essa Série Gratuita