• Suporte Exclusivo via Whatsapp: (11) 9 5065-9502
  • PORTAL DE ALUNAS

Novas diretrizes do ACOG para prescrição de exercícios na gravidez

Tradução da Diretriz do ACOG (PARTE 3) – Por Gizele Monteiro – Personal Gestante e Coach de gestantes by Gravidez em Forma

*** Os programas Mais Vida Gestantes e Gravidez em Forma seguem as diretrizes do ACOG e outras autoridades internacionais que pesquisam e buscam a prescrição de exercícios de forma segura e direcionada para as necessidades da gravidez.

 

Número 650 – Dezembro de 2015.

Comissão de Prática Obstétrica
Este documento reflete os avanços clínicos clínicos e científicos emergentes – a data e emissão estão sujeitas a alterações. A informação não deve ser interpretada como um curso exclusivo de tratamento ou procedimento a ser seguido.

 

ACOG - Colégio America de Ginecologia e Obstetrícia

 

Aspectos anatômicos e fisiológicos do Exercício na Gravidez

Atividade física na gestação - by Gravidez em Forma
Atividade física na gestação – by Gravidez em Forma

A gravidez leva a uma série de alterações anatômicas e fisiológicas que devem ser consideradas quando se prescreve o exercício. As alterações mais distintas durante a gravidez são o aumento do ganho de peso e um deslocamento do centro de gravidade que resulta em lordose progressiva. Essas mudanças levam a um aumento nas forças através articulações e da coluna vertebral durante o exercício com peso sustentado. Como resultado, mais de 60% de todas as mulheres grávidas experimentam dor lombar (13). O fortalecimento dos músculos abdominais e das costas poderia minimizar este risco. O volume de sangue, freqüência cardíaca, volume sistólico e débito cardíaco aumenta durante a gravidez, enquanto a resistência vascular sistêmica diminui. Essas alterações hemodinâmicas estabelecem a reserva circulatória necessária para sustentar a mulher grávida e o feto em repouso e durante o exercício. Posturas imóveis (paradas), tais como certas posições de ioga e posição supina – decúbito dorsal, pode resultar na diminuição do retorno venoso e hipotensão em 10-20% de todas as mulheres grávidas e deve-se evitar, o tanto quanto possível(14).

Na gravidez, existem também profundas alterações respiratórias. A ventilação por minuto aumenta até 50%, principalmente como resultado do aumento do volume corrente. Por causa de uma diminuição fisiológica na reserva pulmonar, a capacidade para o exercício anaeróbico é prejudicada, e disponibilidade de oxigênio para o exercício aeróbico extenuante e aumento da carga de trabalho fica constante. A alcalose respiratória fisiológica da gravidez pode não ser suficiente para compensar o desenvolvimento da acidose metabólica do exercício extenuante. A diminuição da carga de trabalho subjetiva e desempenho ao exercício máximo em gestantes, particularmente naquelas que estão com sobrepeso ou obesas, limitam a sua capacidade de se envolver em atividades físicas mais vigorosas (15). Tem sido mostrado que o treinamento aeróbico na gravidez aumenta a capacidade aeróbica gestantes com peso normal e com sobrepeso (16-18).

A regulação da temperatura é altamente dependente das condições ambientais e de hidratação. Durante o exercício, as mulheres grávidas devem estar bem hidratadas, usar roupas folgadas e evitar a temperaturas quentes e umidade para se proteger contra o estresse térmico, particularmente durante o primeiro trimestre (19). Embora a exposição ao calor a partir de fontes como banheiras de hidromassagem, saunas, ou febre tenham sido associada com um aumento do risco de defeitos do tubo neural (20), o exercício não seria de esperar que aumente a temperatura interna do corpo nessa gama de preocupação. Pelo menos nenhum estudo encontrou a associação entre exercício e defeitos do tubo neural (21).

Apesar do fato de que a gravidez está associada com alterações anatômicas e fisiológicas profundas, exercício tem riscos mínimos e foi demonstrado que beneficia a maioria das mulheres. As lesões esportivas mais comuns na gravidez são músculo-esqueléticas, em grande parte relacionadas com edema das extremidades inferiores edema (80%) e frouxidão articular (22).

 

 

Gizele Monteiro

Gizele Monteiro

É Criadora dos Programas Online Gravidez em Forma e Pós-parto – Mães em Forma que já “ajudou centenas de gestantes a não engordarem e mamães a voltarem ao seu corpo de antes”. Nesse método a diástase tem melhora e a barriga fica reta.

Gizele Monteiro

Consultora de celebridades e programas de TV”.  Se tornou especialista em diástase e recuperação da barriga após a gravidez. Há 20 anos atuando e estudando sobre o controle de peso na gravidez e na volta do corpo da mulher após a maternidade. Fez mestrado na UNIFESP sendo pioneira e referência sobre Exercícios para Mães e Recuperação do corpo após a maternidade no Brasil e na Europa

Cadastre-se para receber

Conheça Nossa Página

Canal do Youtube

Como perder barriga depois do parto

Baixe Agora mesmo Seu E-book Grátis!

O que é Diástase? Como saber se eu tenho? O que fazer se o teste que eu fizer comprovar que estou com Diástase? … São essas respostas que estão detalhadas neste e-book.