Tipos de Barriga X Tipos de Diástase

Que tipo de barriga ficou depois da gravidez? Será que tem relação com a localização da diástase?

 

A resposta é simples … SIMMMM!

O tipo de barriga tem tudo a ver com a diástase e localização dela.

E é isso que vou explicar nesse post.

Muitas seguidoras relatam queixas específicas sobre sua barriga, por exemplo, minha barriga ficou toda caída, pele sobrando; ficou como uma pochete, uma bola pra baixo do umbigo; fiquei com o estômago alto, super inchado e qualquer coisa que eu como ela estufa e demora horas pra diminuir e aí já está na hora de comer de novo; fiquei com hérnia e meu umbigo ficou horrível, !!! E etc, etc, etc. São muitos relatos em todos esses anos de atendimento.

Então resolvi explicar e colocar nesse artigo e assim você pode localizar e entender sua diástase aplicando o auto exame – teste da diástase (faça o teste – clique aqui para baixar o e-book gratuito para aprender). Ao aplicar você verá o tipo e localização dela. Ao final do artigo falarei sobre os passos e caminhos pra melhorar independente do tipo de barriga que tenha ficado.

 

 

BARRIGA POCHETE

Essa barriga é aquela que fica uma flacidez muito grande pra baixo da região do umbigo (exatamente onde se coloca a pochete e por isso esse nome) e ao aplicar o auto exame é possível ver que a diástase é nessa região baixa. A boa notícia é que essa é a que tende a recuperar mais rápido, mas precisa de alguns cuidados.

Porém é importante entender a grande relação desse tipo de diástase com sua postura da coluna e do quadril.

O períneo está muito debilitado e fraco nessa barriga e ele será fundamental no processo de recuperação desse tipo de diástase. Para isso o programa de recuperação deve direcionar exercícios específicos para esse grupo de músculos.

Há grande importância no processo de recuperação  🤣🤣👏👏👏 (clique aqui se não souber como está sua diástase)

 

 

BARRIGA AVENTAL E CAÍDA

A barriga avental está ligada à 2 tipos de Diástases … a localizada na parte baixa e a diástase que pega toda o tecido abrangendo da a região da barriga. Ao realizar o teste, você pode sentir desde cima (nas costelas) até a parte pra baixo do umbigo. Também é uma característica em barrigas muito fracas não conseguir aplicar o teste por causa da flacidez que existe.

Essa diástase também pode estar associada ao excesso de peso, no entanto na maioria dos casos não é gordura que dá esse aspecto de avental e sim o alongamento residual severo e a flacidez muscular – provocando esse efeito de queda da musculatura.

Essa barriga caída vem do grande alongamento dos músculos abdominais … fraqueza enorme dos músculos abdominais e posturais e também da diástase. Também tem alteração postural e períneo fraco.

Então pela grande debilidade da região essa queda simula muito a gordura !

O mais comum então nesses casos é a indicação de tratamentos estéticos que combatem a gordura, mas esse também é o MAIOR ERRO por que não irão melhorar nada da parte muscular. Se houver gordura ela será reduzida, mas o aspecto de avental irá continuar.

Então é onde mais a mulher gasta dinheiro! Com tratamentos que não irão resolver a diástase e a parte muscular.

Por isso não perca tem com a criolipólise ou outros tratamentos. Deixe para fazer se necessário depois da recuperação da musculatura. Isso te ajudará a poupar dinheiro.

Analise comigo … em qual das etapas da foto dessa aluna, você gastaria menos dinheiro com tratamentos? Concorda que no começo irão ser incluídos mais tratamentos, além do tempo e número de sessões.  Muitas mulheres acham que é caro cuidar com exercícios, mas gastam uma fortuna em tratamentos que não irão resolver. Esse é exatamente o caso dessa aluna. Ela tentou vários tipos de tratamentos além de exercícios que prometiam devolver a barriga.

 

 

 

“Quase fui a falência com tantos tratamentos que não resolveram nada da minha insatisfação com minha barriga avental”.

 

 

UMBIGO PARA FORA – COM OU SEM HÉRNIA UMBILICAL

Esse tipo de barriga está ligada a diástase na parte central – na região do umbigo.

Exercícios inadequados e o excesso de peso podem ajudar a desenvolver esse tipo de sintoma. Isso por que o peso deixa a barriga grande e isso fragiliza toda a região. Ela também está bem ligada à postura. Uma postura muito alterada é piorada com as próprias mudanças da gravidez e isso também deixa a barriga maior.

Recuperar a estabilidade postural, a força abdominal e reduzir e reverter a diástase será essencial para a melhora da região.

Inclusive é nessa região que a diástase é mais aberta e mais profunda … é por isso é a mais difícil de fechar, MAS ISSO NÃO SIGNIFICA QUE VOCÊ NÃO TERÁ SUA BARRIGA DE VOLTA. Justamente por que meu programa estabiliza todos os pontos que deixam essa região aberta.

Há melhora da hérnia e da estética do umbigo.

Da mesma forma que as outras barrigas, NÃO gaste dinheiro com tratamentos. Nem para a gordura e nem outros. Eles não resolverão uma diástase assim.

Então desde a gravidez é importante saber “o que” e “como fazer” para evitar essa diástase!! 🤗

 

 

 

ESTÔMAGO ALTO E ESTUFADO

Você ficou com o estômago alto depois da gravidez? Aquela barriga alta em cima e as costelas muito abertas? Esse tipo de barriga, as alunas reclamam que mesmo comendo pouco parece que comeram uma melancia.

Esse tipo de barriga é característica de uma diástase mais superior … pra cima do umbigo.

Da mesma forma que os tipos anteriores, essa também pode ser melhorada com exercícios posturais e especializados.

E da mesma forma que as anteriores, exercícios errados vão agravar o quadro.

Os exercícios devem ser bem direcionados ao fechamento das costelas, parte importante do processo e exatamente por essa característica é que várias alunas chegam depois de meses de treinamento, personal, academia sem conseguir sucesso de melhora. E por isso que não é qualquer exercício e método que trará melhora e resultados.

Por isso o olhar do meu programa é sempre de recuperação e reorganização do corpo!

Não existe melhora da diástase sem esse olhar de recuperação!

Então Borá acabar com esse estômago alto 🤣🤣👏👏👏

 

 

 

COMO MELHORAR A DIÁSTASE E A BARRIGA INDEPENDENTE DO CASO?

No longo trajeto atendendo gestantes e mamães e estudando esse fenômeno da diástase percebi que muitos exercícios eram pura perda de tempo e também frustrantes por que não melhoravam o que precisava ser melhorado.

Foram muitos e muitos exercícios testados.

Exercícios isolados também não funcionam! É necessário um passo a passo que trabalhe com cada alteração do corpo da mulher.

Independente do tipo de barriga e localização da diástase que você encontrou, para recuperar é importante existir a aplicação de exercícios  direcionados para cada área do corpo que precisa ser recuperada – barriga – postura – quadril.

Não existe melhora da diástase sem esse tripé de exercícios! E é necessária uma organização e evolução entre eles.

Também recebo muitas alunas de diversos métodos … todas frustradas pelo tempo perdido sem ver melhora ou quando veem é pouco. E em muitos e muitos casos há a piora da estética da barriga. Estou fazendo um reality com a Carol Castelo Branco no meu canal do YouTube sobre esse tema – clique aqui para ver.

E nas diversas modalidades existem exercícios que trabalham contra aquilo que precisa ser recuperado no seu corpo e isso é o caso de modalidades/métodos como LPF ou exercícios hipopressivos, vários e vários exercícios do crossfit, do LPO e até do Pilates e da musculação tradicional …😔

🚨 Deixo um alerta para o CrossFit e LPO também – agachamento e abdominais usados nessas modalidades (e também na musculação) irão piorar. Aliás desde a gravidez essas modalidades favorecem o aparecimento da diástase e principalmente da região do umbigo. As que vem dessas modalidades são largas e profundas.

 

PROGRAMA ONLINE PÓS-PARTO EM FORMA

Diante de todos esses estudos e anos de experiência reuni exercícios eficazes e consistentes num programa completo para melhora de todos esses tipos de diástase.

Se você deseja dar esse passo e ter os mesmos resultados que essas alunas – clique no botão abaixo 👇👇

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *