Estrutura de uma aula de Flexibilidade para a Saúde

Profa. Ms Gizele Monteiro

Engana-se quem pensa que a famosa aula de Alongamento da academia não tem uma estrutura. A aula pode ser dividida em etapas:

AQUECIMENTO: essa fase como o nome diz deve proprocionar o “despertar do corpo” …

… e uma elevação da temperatura corporal. Podem ser utilizados exercícios de respiração, soltura ou massagens, alongamentos suaves e espreguiçamento do corpo. Ao traçar o objetivo da aula deve ser escolhida a forma de aquecimento.

Segue um exemplo: uma aula que está focada para trabalhar os membros inferiores deve haver a soltura da região lombar, sendo que podem ser utilizados movimentos que tirem a tensão da região lombar como espreguiçamentos na posição deitada e massagens com bolinhas de tênis ou outros materiais. Os movimentos devem ser gerais, suaves e feitos de maneira agradável.

FASE PRINCIPAL: nessa fase deve estar claro o uso da metodologia empregada e quais os grupamentos musculares que serão trabalhados na aula. É a maior parte da aula. Sugere-se que para a saúde (personal ou academia), por questão de segurança, utilize-se predominantemente o alongamento estático (método passivo estático e ativo estático). É importante a programação da pausa entre os exercícios e novamente pode-se fazer uso de espreguiçamentos e massagens.

Importante:

– que as transições entre os exercícios sejam seguras e deves ser realizadas de forma lenta, assim como o retorno da posição (exercício),

– programar o uso de todos os materiais a serem utilizados como: bola suíça, espaguete, bastão, step, bandas, barra, bolinhas de tênis, etc. Essa programação tornará a dinâmica e auxiliará para alunos que necessitam do material para compensação postural ou adaptação ao exercício por dificuldade.

VOLTA À CALMA: realizar a diminuição da intensidade do exercício e nessa fase usar as massagens, relaxamento conduzido, exercícios respiratórios, etc.


Obesidade e má postura estão entre causas do bico-de-papagaio

Profa. Ms Gizele Monteiro

Infelizmente a postura não é um tema em que os profissionais estão muito preocupados. A matéria a seguir mostra como a postura inadequada pode afetar a sua coluna e trazer além de dores, problemas permanentes que interferirão seriamente na qualidade de vida do indivíduo.

Sugerimos ao profissional de Educação Física aprimorar seus conhecimentos para poder atuar com o treinamento personalizado também nesse grupo.

Saiba mais sobre grupos especiais no site: www.metodomaisvida.com.br

Boa leitura!

ALESSANDRO REIS – Revista da Hora

Se você tem mais de 60 anos e sente dores nas costas, é possível que esteja sofrendo de uma doença popularmente conhecida como bico-de-papagaio, que se manifesta na coluna vertebral. Trata-se de uma forma de artrose, que é o desgaste das articulações do corpo.

“O bico-de-papagaio ou a osteofitose se manifesta quando os ligamentos e as cartilagens que envolvem as vértebras se calcificam, como forma de estabilizar a estrutura desgastada. O problema tem maior incidência na região lombar, mas pode atingir outras partes da coluna”, esclarece o ortopedista Gilberto Anauate, coordenador do pronto-socorro de ortopedia do Hospital Santa Paula.

Arte

Segundo Anauate, as dores são causadas pela própria rigidez da coluna, na qual as vértebras afetadas pressionam nervos e músculos. O especialista afirma que, além da idade, outros fatores podem causar a formação do bico-de-papagaio. “Hereditariedade, má postura, obesidade, sedentarismo, fraturas e doenças reumáticas também contribuem para desgastar as articulações e levar à calcificação das vértebras. Porém, quando uma pessoa mais jovem sofre de dor nas costas, a origem do desconforto é muscular em 80% das vezes.”

O ortopedista Marco Aurélio Silvério Neves, do Hospital São Camilo, diz que a osteofitose não tem cura, mas pode ser controlada. “É um processo irreversível e progressivo, mas 95% dos casos são leves e têm controle mais fácil. Fisioterapia e correção postural ajudam a recuperar a estabilidade e, em casos extremos, há cirurgias e próteses para compensar o desgaste e a calcificação.”

Arte

Também existem medicamentos recentes para tratar a artrose, capazes de prevenir o depósito de cálcio nas regiões afetadas. Para a dor, são indicados analgésicos e antiinflamatórios. “Seguindo certos cuidados e utilizando a medicação correta, a pessoa consegue controlar a doença e os sintomas satisfatoriamente. Dá para viver bem com isso”, complementa Anauate.

E como prevenir? “Exercícios regulares de baixo impacto reforçam os músculos que dão sustentação à coluna. Também é necessário controlar a postura, principalmente no ambiente de trabalho”, recomenda Neves. Anauate salienta que o acompanhamento médico constante faz a diferença. “É preciso ficar atento em relação a eventuais dores na coluna vertebral. Agindo precocemente, a pessoa pode evitar que o problema se agrave, sobretudo nos casos de má postura”, alerta o ortopedista. Ao trabalhar no computador, por exemplo, ele considera importante usar cadeira giratória, com apoio para os braços e os pés, além de suporte para os pulsos no teclado.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u403821.shtml

Diabetes Gestacional – Efeitos sobre o bebê

Profa. Gizele Monteiro

O Diabetes Gestacional é temporário e tratável, mas se não for tratado pode causar problemas com a gravidez.

Se tratado, raramente causa problemas congênitos (ao nascimento) sérios porque na maioria dos casos ele não aparece antes do último trimestre de gravidez, mas seu tratamento tem por objetivo diminuir a taxa de macrossomia fetal (peso elevado do bebê ao nascer), evitar a queda do açúcar (hipoglicemia) que ocorre com o bebê ao nascer e diminuir a taxa de cesariana.

A macrossomia ocorre como resultado da exposição excessiva à glicose, o que pode levar a complicações durante o parto porque o bebê pode ser maior que o normal, aumentando dessa forma também o risco de cesariana.

A hipoglicemia (baixos níveis de açúcar no sangue do bebê imediatamente após o parto) pode produzir complicações afetando o bebê depois do nascimento. Após o parto os níveis de insulina do bebê ainda são elevados – o feto produz quantidades abundantes de insulina enquanto está exposto aos níveis elevados de açúcar da mãe. Depois do parto, antes de sua própria produção de insulina e o bebê ter condições de se ajustar, pode ocorrer uma hipoglicemia pós-natal (queda acentuada do açúcar no sangue do bebê). Neste caso é necessário administrar glicose via intra-venosa no bebê).

O Diabetes Gestacional requer supervisão médica cuidadosa durante a gravidez. Embora possa ser temporária, pode trazer danos à saúde do feto e/ou da mãe, e cerca de 20% a 50% das mulheres com diabetes gestacional desenvolvem diabetes tipo 2 mais tardiamente na vida.

Conheça mais sobre a saúde da gestante e a importância do exercícios nesse período e no pós-parto … Saiba mais sobre nossos programas e atendimentos: e-mail – contato@gizelemonteiro.com.br ou fone – (11) 2867.3307 / 7871.4162.

Automassagem alivia dor nas costas

Por Gizele Monteiro – personal gestante

Um dos temas mais solicitados em nossos blogs … os problemas com dores nas costas. A matéria publicada no site da uol (http://noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2009/10/02/ult3617u7510.jhtm) ajudará a entender um pouco mais sobre o problema da tensão muscular e as dores nas costas.

A massagem é um excelente recurso para prevenção e alívio das dores. Não se esqueça de buscar ajuda profissional e realizar juntamente exercícios de alongamento e posturais.

Automassagem alivia dor nas costas; veja dicas

SHÂMIA SALEM
Colaboração para o UOL

Oito em cada dez pessoas vão sentir algum desconforto nas costas pelo menos uma vez na vida, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). A boa notícia é que, dependendo do grau de tensão e dor, uma automassagem pode ajudar, mesmo se for feita diante do computador ou no carro, enquanto fica parado no trânsito. “As manobras amenizam a rigidez muscular e favorecem a circulação sanguínea e a eliminação de toxinas. Mas é preciso dosar a força para o local não ficar ainda mais sensível. O ideal é aumentar a pressão aos poucos e respeitar o seu limite”, avisa o terapeuta corporal Paulo Bastos Gonçalves, diretor da Associação Brasileira de Ayurveda (ABRA), no Rio de Janeiro.

Auto-massagem para alívio de dores nas costas
  • Automassagem ajuda a aliviar a tensão na região do trapézio, entre a nuca e os ombros

Outra vantagem da automassagem é que o toque e o calor gerado por ele aumentam a produção de ocitocina no organismo. Conhecida como hormônio do amor, por ser liberado em grande quantidade durante o orgasmo, a ocitocina traz tranquilidade e bem-estar.

Como se massagear?
Alguns pontos das costas são difíceis de alcançar. Nesses casos, pode-se usar acessórios específicos, como o carrinho de madeira, ou uma bola de tênis para fazer movimentos circulares e de vaivém. “Mas não fique mais de cinco minutos na mesma região, sob o risco de ganhar uma nova dor, dessa vez nos ombros e braços”, avisa a fisioterapeuta Fernanda Scovino, do Espaço Solaris, no Rio de Janeiro. Na falta de um acessório, a fisioterapeuta Ana Carolina Freitas, consultora da Onodera, no Rio de Janeiro, ensina a fechar as mãos e passar os ossinhos dos dedos nas laterais da coluna. “É preciso ir da cintura em direção à nuca, um lado de cada vez, por três vezes, para funcionar.”

As mãos também ajudam a aliviar a região do trapézio, localizada entre a nuca e os ombros. “Deixe a mão esquerda em concha e amasse o lado direito. Depois, repita para o outro lado até sentir a musculatura mais solta”, diz Fernanda Scovino. Já na região lombar, próxima ao cóccix, a especialista sugere fechar as mãos e fazer movimentos circulares. “A hora do banho é a melhor para trabalhar essas áreas, pois a água quente ajuda a relaxar, assim como usar um óleo de arnica ou lavanda”, completa ela.

Por que dói?

De acordo com o ortopedista Gilberto Anauate, chefe de ortopedia do Hospital Santa Paula, em São Paulo, o principal responsável pelas crises é a má postura ao sentar, deitar ou levantar, bem como ficar muito tempo na mesma posição.”Nessas condições a musculatura que sustenta a coluna é pressionada causando tensão e dor no local”, explica o médico.Para evitar problemas, a recomendação é manter a cabeça sempre alinhada à coluna para que, automaticamente, a costas fiquem eretas, não engordar nem carregar excesso de peso ou usar sapato de salto muito alto.

“O ideal é que ele tenha entre três e quatro centímetros, sendo que o tipo anabela é o mais indicado, já que garante estabilidade ao caminhar e melhor distribuição do peso pelo corpo”, completa o ortopedista João Matheus Guimarães, do Rio de Janeiro.

Mais soluções
Se a região dolorida estiver fora do alcance, uma boa saída é pressionar os pés com os polegares das mãos, mais precisamente as laterais internas, do calcanhar até o dedão.

“Os toques ajudam a desbloquear a energia que está causando incômodo, além de ativar a circulação e aumentar a liberação de serotonina, o que garante bem-estar”, resume a terapeuta especializada em medicina chinesa Alice Keiko Fujiura, da Keiko’s Prevenção e Saúde, em São Paulo.

Outra sugestão é pisar descalço em uma bolinha com pinos de plástico, mais conhecida como ouriço, já que na sola há inúmeras terminações nervosas. Ao serem estimuladas, elas enviam mensagens ao cérebro, que aciona o sistema imunológico a fim de trazer alívio para as costas e melhorar a saúde em geral.

Por fim, é recomendado alongar as costas regularmente. E é possível fazer isso até na cama: sentado, flexione os joelhos trazendo-os em direção ao peito e abrace as pernas. Inspirando profundamente, caia para trás devagar e volte à posição inicial. Repita entre três e seis vezes.