Corrida na gravidez. Posso continuar a correr?

Corrida na gravidez? Por Gizele Monteiro

Seu dia a dia seguia normalmente, então você descobre … está grávida!

Quanta felicidade, muitos planos, a cabeça gira 360 graus, não é mesmo!?

Ei, p-e-r-a-í !!

Corrida na gravidez by Gizele Monteiro

Será que posso continuar com a corrida na gravidez, continuar a fazer a atividade que tanto amo?

Aqui entre nós: tem muitos mitos em torno da gravidez, então óbvio que com a corrida na gravidez não poderia ser diferente.

Primeiro um alerta: atletas ou não, mulheres continuam se exercitando, praticando a corrida na gravidez, mas muitas sem orientação certa.

Portanto, você precisa ler esse artigo.

Correr é prazeroso, dá uma sensação de liberdade e bem-estar, sem dúvidas, inclusive no programa Gravidez em Forma (www.gravidezemforma.com.br) há um plano totalmente adaptado para você que corre quando seu médico libera. Eu planejei tudo adequadamente conforme o período gestacional, sendo então a prática feita em segurança para você e seu bebê.  Saiba mais!

 

Mas então se meu médico liberar posso continuar com a corrida na gravidez?  

Sempre alerto: aquelas gravidinhas que precisam de repouso por orientação médica NÃO. Já as que correm e são liberadas pelo médico podem SIM.

Há de se ter moderação e observar todos os sintomas.

Assim uma prática moderada e com mudanças especializadas é possível, afinal seu corpo tem outras necessidades.

E o legal é que com essas mudanças e cuidados existem alunas que permanecem correndo normalmente até o oitavo mês.

Mas nada de querer treinar para as olimpíadas, hein?

Embora treinadas possam correr … como ficam as sedentárias?

SE VOCÊ NÃO CORRIA ANTES DA GRAVIDEZ, A ATIVIDADE NÃO ESTÁ LIBERADA!

Para sedentárias então são indicadas atividades com baixo impacto: caminhada, bicicleta ergométrica, alongamentos, exercícios posturais e localizados.

 

O exercício é muito importante para a prevenção de doenças na gravidez como hipertensão e diabetes. Então o programa www.gravidezemforma.com.br  pode te auxiliar a manter-se ativa em segurança nesta busca de uma gravidez saudável.

Também é muito importante na evolução da gravidez, acompanhar como está a diástase funcional e se o corpo está organizado para prevenir a diástase e as alterações posturais.

 

Dicas e cuidados para manter a corrida na gravidez:

Corrida na Gravidez – aluna programa Gravidez em Forma

– Faça uma alimentação balanceada, hidrate-se bebendo muita água e sucos naturais e use roupas leves e tênis adequados para correr.

– Se você sentir tontura ou contrações, pare na hora e avise seu médico.

– Perceba os sinais e do seu corpo e seu instinto: respiração muito ofegante, dor no peito ou barriga, inchaço nas mãos, pés e articulações.

– Sempre deve haver o controle da intensidade através dos seus batimentos cardíacos e sua percepção do esforço que deve ser leve-moderada.

– Não correr se tiver diástase, dores nas costas ou quadril e escapes de xixi.

– Corrida é bem-vinda para grávidas saudáveis e aptas.

– Organize sua postura, fortaleça seu períneo e trabalhe seus músculos abdominais para evitar diástase.

– Inclua exercícios de fortalecimento para costas, pernas, braços. Seu programa deve ser COMPLETO.

– Se descobrir uma diástase na gravidez – PARE COM A CORRIDA!

 

O retorno! E depois do parto? Posso correr?

É muito importante falar que não é recomendado voltar a corrida antes das recuperações essenciais do corpo: diástase, postura, períneo e articulações.

É fundamental respeitar o tempo de recuperação do organismo e ainda levar em conta o tipo de parto.

  • parto normal, a indicação de voltar aos exercícios leves são 30 dias
  • cesárea entre 40-60 dias e para alguns casos 90 dias.

Deve-se iniciar com caminhada, fortalecimento do corpo a partir da barriga,  recuperação da postura e períneo.

É exatamente isso que eu faço no meu programa Pós-parto – Mães em Forma – www.pospartoemforma.com.br

 

Diástase e a corrida

Diástase depois da gravidez

É muito importante realizar o teste e verificar se ocorreu uma diástase com rompimento, aquela que deixa a barriga com a estética comprometida e totalmente fraca. No meu site www.pospartoemforma.com.br você pode baixar meu e-book gratuito onde ensino a fazer o teste e explico as medidas da diástase.

É comum as mulheres voltarem a correr querendo perder a barriga, mas vocês não sabem que a corrida pode prejudicar muito  volta do corpo, aliás você pode piorar a barriga e a diástase natural (afastamento do músculo abdominal). Isso levará a uma diástase com rompimento. Embora o corpo esteja em recuperação ainda existem muitas alterações que também devem ser respeitadas. Então a volta a corrida de maneira precoce só piora o quadro, ainda colocando a coluna e quadril em risco de lesões por causa da instabilidade provocada por essa fraqueza da diástase. Também há muitos casos de agravamento de escapes de xixi – conhecida como incontinência urinária – provocada pelo impacto sobre uma região extremamente fraca e frágil.

Esses quadros todas as mulheres deveriam saber!

Então em hipótese nenhuma corra em qualquer uma dessas condições.

Estando tudo isso ok, já tendo melhorado sua fora e estabilidade do corpo, volte aos poucos com trotes leves e mais curtos até ganhar ritmo, entre 10 – 15 a 20 minutos.

 

CUIDADO REDOBRADO NESSA FASE!

Mesmo para quem corria antes o corpo está completamente, solto e instável.

Articulares, músculos e postura precisam de cuidados.

 

Hidratação

A hidratação é muito importante e principalmente com a amamentação. Está tudo ok para treinar amamentando se a intensidade da atividade e hidratação estiverem corretas.

Correr e amamentar também exige cuidados com as mamas – USE um top com boa sustentação.

 

Benefícios da corrida após a gravidez. Como e quando voltar?

A corrida é uma atividade aeróbica, e essa tem sido indicada para melhorar e prevenir a depressão pós pós-parto.

Há a melhora na autoestima e ajuda também na volta da boa forma, equilibrando o emocional e a volta do peso e do corpo.

 

Assista esse vídeo que está no meu canal e entenda mais sobre a corrida depois da gravidez.

Preparação para o parto – exercícios ajudam no trabalho de parto

Preparação para parto foi tema em evento da Crescer

 

Você sabia que uma preparação para parto pode fazer diferença na qualidade do seu parto, podendo reduzir dor e o tempo do trabalho de parto?

Enquanto isso, não saber o que fazer, não se informar e manter-se sedentária pode levar a complicações.

Eu Gizele Monteiro, e a fisioterapeuta Vanessa Marques estivemos no Evento Tá na Hora, realizado pela revista Crescer, falando justamente sobre a “preparação para parto”.

 

Evento Revista Crescer – Preparação para parto com Gizele Monteiro e Vanessa Marques

 

Explicamos toda transformação do seu corpo na gestação e o que fazer para ter um parto consciente.

E além disso explicamos detalhadamente os caminhos corretos para você praticar exercícios e preparar a mente e o corpo para ajudar nesse momento!

Tanto exercícios,  quanto a fisioterapia especializada foram abordadas no workshop Como se preparar para o parto.

Assim colocamos 3 fatores importantes para hora do parto:

  • a força muscular
  • condicionamento físico
  • a consciência física

Esses três fatores te ajudarão a suportar melhor o tempo de duração do trabalho de parto.

Por isso então você deve conhecer os caminhos certos.

Muitas mulheres caem nos mitos e “acham” que estão se preparando para o parto.

 

Evento Revista Crescer – Preparação para parto com Gizele Monteiro e Vanessa Marques

 

A VERDADE SOBRE EXERCÍCIOS NA PREPARAÇÃO PARA PARTO

Na minha parte de exercícios, infelizmente existem vários mitos, mas falei vários pontos esclarecendo:

  • muitos exercícios são usados de forma incorreta e ao invés de melhorarem seu corpo e sua força estão promovendo diástase
  • exercícios de forma geral não tem efeito na evolução do parto. Os exercícios apenas ajudam na preparação física para que você suporte o longo tempo de trabalho de parto.
  • uma boa força abdominal faz com que você não só mantenha a qualidade da contração, mas também mantém a consciência corporal para os momentos certos.
  • um abdomen sem diástase ajuda a que os músculos sejam usados com eficiência no momento expulsivo do parto.
  • se você tem diástase perde a força desse músculo, o parto poderá demorar mais, portanto é importante ter os exercícios corretos

Assista o vídeo e veja mais informações sobre esse tema!

 

 

A VERDADE SOBRE A FISIOTERAPIA E A PREPARAÇÃO PARA PARTO

A verdadeira preparação para parto é feita por uma fisioterapeuta obstétrica, especializada realmente em parto.

A condição e a consciência física, por sua vez, formam a percepção do corpo e ajudam a mulher a direcionar sua força para os locais certos.

Saber usar bem o períneo, requer consciência e preparo especializado.

 

“Apesar do parto ser algo natural e orgânico, usar corretamente o corpo e o períneo auxiliam na qualidade de cada fase do parto.

Então esse trabalho pode reduzir a duração e o cansaço durante o trabalho de parto”, explica Vanessa.

PREVENÇÃO DE DORES E PREPARAÇÃO PARA PARTO

Dores na Gravidez – Programa Preventivo

Tanto a prática de exercícios especializados, quanto a fisioterapia obstétrica ajudam na prevenção de dores.

O ideal é que você chegue sem dor ao final da gravidez para estar bem no parto.

A dor nas costas, no quadril por exemplo, atinge quase 70% das gestantes.

Muitas ficam sem movimento e são obrigadas a fazer repouso.

Dessa forma ganham mais peso, incham e tudo isso por que não sabem sobre como ter os cuidados certos.

Tanto exercícios certos, quanto uma fisioterapia preventiva faz a diferença para que você chegue bem no parto.

 

O QUE FAZER?

Para exercícios, falei no evento sobre meu programa online Gravidez em Forma, elaborado com cada um desse cuidados.

Para conhecer clique no botão abaixo e então siga com seu cadastro para ver a apresentação do programa.

 

 

Na parte fisioterápica, Dra Vanessa Marques – Donna Fisio explicou seu trabalho, feito desde a liberação médica, envolvendo em cada fase um tipo de tratamento.

Ao final da gravidez já te direciona a conhecer as fases do trabalho de parto, preparação do períneo com massagem perineal e/ou uso de epi-no.

Cada uma dessas técnicas envolve o principal ponto da preparação para parto.

Quer falar com a Vanessa Marques do Donna Fisio para se preparar para o parto? Clique Aqui !

Diástase Abdominal na Gravidez

Diástase abdominal na Gravidez?! É possível reverter ou melhorar a diástase durante a gravidez?

Por Gizele Monteiro – Personal Gestante

.

Embora eu adorasse dizer “sim é possível reverter”, na verdade recuperar a diástase abdominal na gravidez não é algo possível de se fazer, afinal sua barriga está em expansão.

 

“SÓ SERÁ POSSÍVEL REVERTER A DIÁSTASE DEPOIS DO

PARTO E DA LIBERAÇÃO MÉDICA PARA EXERCÍCIOS.”

 

Isso por que toda a evolução do volume da barriga por causa do crescimento do bebê não torna o momento favorável pois há alongamento e abertura dos músculos.

Como conter a diástase na gravidez?

No entanto, existem várias coisas importantes que você pode fazer durante a gravidez para ajudar a conter a piora e assim minimizar essa separação abdominal.

Manter seus músculos abdominais fortes com “exercícios certos e especializados”, a estabilidade postural, seu períneo forte são portanto os pontos importantes do corpo para você incluir exercícios.

 

 

O programa online Gravidez em Forma tem exercícios com esses objetivos. Foi uma preocupação quando elaborei o programa e inclui tudo o que testei e aprovei com minhas alunas. Hoje o mesmo acontece com minhas alunas à distância que participam do programa online.

Esses detalhes fazem total diferença na contenção da diástase, a diminuir dores e desconfortos!

Outro ponto interessante e que também vejo nas minhas alunas, é a rápida resposta na recuperação. Fortalecer os músculos profundos do abdômen adequadamente durante a gravidez, não só minimizam a diástase abdominal,  ajudam na regeneração e recuperação depois do bebê!

E não esquecendo do períneo … manter uma boa força e consciência do períneo ajuda a manter a pelve estável. Esse equilíbrio também ajudará a conter a diástase.

Se o períneo estiver fraco, toda a barriga e postural ficarão alteradas.

De novo, esse trabalho especializado fará uma recuperação mais rápida no pós-parto, além de também ajudar no trabalho de parto.

Então toda essa memória muscular desempenha um papel fundamental na recuperação após o nascimento do bebê.

 

DIÁSTASE ABDOMINAL NA SEGUNDA GRAVIDEZ

Se você está grávida e sabe que tem a diástase, nem pense em deixar para recuperar depois.

O famoso … Ahhh depois eu corro atrás! Ahhh depois eu recupero!

 

NÃO COMETA ESSE ERRO!

 

Com as mudanças da primeira gravidez + diástase seu corpo não só irá piorar na estética, mas também haverá muito mais chance dessa diástase piorar a postura, dores nas costas e provocar sequelas maiores como incontinência urinária ou até prolapso de órgãos.

 

Preparei um vídeo especial para falar um pouco desse segunda gravidez e da recuperação do corpo.

Clique pra assistir!

 

Então se você deseja conter sua diástase e manter-se bem para recuperar o mais rápido possível, clique no botão para conhecer o programa Gravidez em Forma. Siga como cadastro no link para ser direcionada para a página de apresentação do programa!

 

 

 

Segunda gravidez – barriga maior é normal?

Segunda Gravidez – barriga maior é normal?

 

Quem já não viu todas falando … Ah minha barriga nessa gravidez está aparecendo muito mais rápido, está maior!! Mas será que isso é normal?

Sabe o tema – “recuperar-se depois da gravidez ou se preparar para a nova gravidez” é totalmente desconhecido pelas mulheres !!!

As mulheres não sabem que precisam se preparar para a próxima gravidez!

Constantemente ouço … Mas não é melhor eu esperar, engravidar e depois cuidar e me recuperar tudo de uma vez?

 

Quando vejo alguém falando isso eu até vontade de chorar e falar … querida não faça isso!

Ao contrário … Você precisa agir agora!
Percebi que muitas mulheres não sabem e não entendem a importância de recuperar seu corpo para uma próxima gravidez.

Recebo diariamente mensagens com as mesmas queixas em minhas mídias. Segue um exemplo …

 

Relatos de piora da barriga após segunda gravidez
Relatos de piora da barriga após segunda gravidez

 

Por isso resolvi escrever esse artigo!

Você imaginaria que seu corpo poderia ficar pior numa próxima gravidez ?! ??
Nunca não é verdade ?!
E muitas que percebem seu corpo alterado ainda cometem o pior erro de todos … pensam … “Ah eu engravido de novo e depois arrumo tudo numa plástica!”
.
Se você é uma das que pensa assim vou te alertar !! JAMAIS, vou repetir , JAMAIS cometa esse erro.

Vou listar abaixo o que pode acontecer com seu corpo :

 

1. DIÁSTASE

A diástase irá aumentar. Mesmo que você ainda não a tenha percebido, ou também você tinha ficado com uma muito pequena da gravidez anterior, ela poderá aumentar justamente porque toda a região está fraca e instável.

Há grande queixa das minhas seguidoras e alunas que só perceberam a diástase na segunda gravidez, mas na verdade toda a região já estava suscetível ou ela já estava aí e apenas você não tenha percebido.

….

 

2. PELE FLÁCIDA

Sua pele poderá ficar mais flácida e sobrará mais pele.
Sabe aquela pele sobrando ?! Como seus músculos estão fracos e não fazem mais o suporte, a sustentação pra pele, ela será mais alongada ainda e esse desgaste a deixará mais flácida e com mais sobra. Então o momento de conter isso é antes da gravidez, fazendo seus músculos se recuperarem e serem o novo suporte para a próxima gravidez. Sabe aquela frase comum … “na segunda gravidez a barriga aparece mais rápido . Parte disso acontece por que esses músculos estão fracos.

 

Segunda gravidez – flacidez na barriga

3. ESTRIAS

Estrias – a estria aparece quando a pele é muito alongada. Então a flacidez irá contribuir para elas aparecerem ou “piorarem” nessa segunda gravidez.

Lembro que os tratamentos para a pele são os mais caros e a pele a que menos se vê efeitos. Então entenda o que estou falando com muito carinho por que sua auto estima poderá ser muito abalada.
Lido todos os dias com mulheres que ao se depararem com a realidade do seu corpo, não conseguem se aceitar. E isso acontece por uma “simples falta de conhecimento, falta de saber o que e como fazer”. E eu posso te ajudar !!

….

 

4. ESCAPES DE XIXI

Escapes e perdas de xixi.

Quem sustenta e controla o xixi, é o seu períneo. O períneo quase nunca se recupera sem exercícios depois da gravidez. Faça o teste! Tente manter por 30 segundos esses músculos contraídos. Contraia como se fosse segurar para não fazer xixi. Quanto menos tempo conseguir fazer isso, mais fracos eles estarão.
Qual o risco na próxima gravidez? Por que isso é importante?
Quando esses músculos não sustentam bexiga e útero há 2 riscos – aumentar os escapes e você ter uma queda de órgãos – chamado de prolapso.

 

Prolapso do útero

 

5. POSTURA

Sua postura numa segunda gravidez irá piorar e você ter problemas na coluna ou hérnias de disco
Sua postura não só é alterada na gravidez, mas ela continua piorando com os movimentos repetitivos de cuidados com o bebê. Imagine então o que acontecerá na próxima gravidez. Essas sequelas se somam. Muitas mulheres ficam com dores nas costas, dores no quadril, dores nas pernas, pioram uma escoliose. E isso tudo acontece por 3 razões :

Razão 1. Sua postura não foi trabalhada para voltar, então ela irá piorar.
Razão 2. Sua barriga está solta e fraca, então ela não ajudará na volta da postura
Razão 3. Seu períneo está fraco e não sustenta todo o seu corpo e postura.
Cada um desses pontos “PRECISA” ser recuperado antes da próxima gravidez. E esse é o motivo desse artigo !
Te dar o caminho!

….

SEGUNDA GRAVIDEZ – ASSISTA O VÍDEO QUE PREPAREI – CANAL DO YOUTUBE!

….

No vídeo que gravei para o meu canal do YouTube eu explico também com mais detalhes como se preparar para a segunda gravidez e como reverter essa situação da piora do seu corpo e barriga. Assista que vale a pena!

 

E por isso comecei esse artigo dizendo que você precisa agir agora!

As mulheres não sabem disso e por isso ficam tão infeliz com seus corpos.

Então se você quer mudar isso agora e nem correr o risco de ter tudo piorado na próxima gravidez,  eu posso te ajudar com meu programa Pós-parto – Mães em Forma poderá te ajudar. Clique no botão e baixe meu e-book gratuito para saber se tem diástase … na sequência do cadastro você será transferida para a página de apresentação do programa. Lá você encontra todas as informações e apresentação para aderir !!

.

.

PS 1 e 2.

1. Preparei um artigo também completando as explicações do por que a barriga aparece mais rápido e se isso tem como ser contido – clique aqui !!

 

2. Se você está grávida, está lendo esse artigo e pensando … então sou um caso perdido. Clique aqui que tem um artigo explicando o que você precisa fazer e como eu posso te ajudar. Nem tudo está perdido mas é importante você agir agora.

Escoliose e Gravidez

Escoliose e Gravidez – Por Gizele Monteiro

 

Será que a escoliose é um risco para a gravidez e será que ela pode provocar complicações?

Resolvi escrever esse post porque vi que a escoliose é temor em muitas mulheres que desejam uma gravidez, assim a primeira coisa que quero discutir é …

 

1. Será que mulheres com escoliose podem ter complicações na sua gravidez?

Do ponto de vista fisiológico a escoliose NÃO traz riscos para a mamãe e para o bebê.

As ocorrências e problemas que podem ocorrer são mais ligadas a queixas e incapacidade de movimentar-se, então vamos entender algumas alterações gestacionais que devem ser acompanhadas por quem tem uma escoliose mais severa.

Durante a gravidez, naturalmente há grande mudança postural e nem sempre (aliás poucas vezes) a mulher está preparada para essas mudanças.

O ideal então seria a mulher se preparar não só fisicamente para a gravidez, mas também posturalmente. Realizar exercícios direcionados para a postura, direcionados para fortalecer e alongar músculos que serão bem sobrecarregados na gravidez.

 

#Portanto a “primeira orientação” se você está querendo engravidar é … prepare-se para a gravidez.

 

Essas mudanças posturais que ocorrem durante a gravidez, juntas com o crescimento do útero (e do bebê) alteram o funcionamento do diafragma (o músculo respiratório) mais para o final da gestação. Isso por que ele tem menos espaço para realizar sua função e movimento. Essa limitação no movimento dele, do ponto de vista fisiológico,  poderá ser o maior incômodo para a mulher com escoliose.

Na verdade isso já é muito e natural da gravidez – pode perceber que praticamente toda gestante se queixa de ficar sem ar, se sentir mais cansada, uma certa dificuldade em respirar. E é aí, que dependendo do nível da escoliose, essa pode ser uma queixa mais acentuada … mais falta de ar ou cansaço.

Então nos casos de você apresentar uma escoliose mais grave, isso pode ser intensificado. É importante então ter um trabalho postural para o controle dessa alteração durante a gravidez.

 

2. Que problemas podem acontecer então ?

Portanto analisando … as complicações ligadas a esse desvio estão mais ligadas as mudanças biomecânicas do que fisiológicas.

Por isso um bom trabalho postural e exercícios especializados ajuda muito nesse conforto e equilíbrio fisiológico para o bebê. Mais adiante falarei dos exercícios …

 

A. Dor nas costas

Outro ponto importante a ressaltar nessa questão biomecânica é a dor nas costas.

 

A dor nas costas e quadril é a queixa mais comum da gestação.

Atinge praticamente 70% das gestantes.

 

B. Hérnia de Disco e Gravidez

A hérnia de disco é comum entre as gestantes. Ela pode acontecer por que o aumento do peso abdominal desloca o eixo de equilíbrio e dessa forma provoca uma acentuação na curvatura lombar, isto é, acentuará mais sua lordose lombar.

Isso pode levar a dores nas costas e, aumentar a chance da hérnia de disco aparecer.

Mais uma vez vemos …  a importância de preparar o corpo para a gravidez, fortalecendo a musculatura que protege e estabiliza sua coluna.

 

C. Meu bebê está em risco?

O bebê não está em risco simplesmente porque a mãe tem escoliose.

Na verdade, a maioria das mulheres com escoliose não tem nenhum problema com filhos.

No entanto é bom sempre comunicar ao médico obstetra e anestesista sobre a escoliose se ela for acentuada. Dependendo da curva da coluna vertebral, uma epidural pode ser mias delicada ou impossível para algumas mulheres com escoliose. Apresentar sempre o caso será sua maior segurança e conforto nas dúvidas.

A GRAVIDEZ PODE PIORAR A ESCOLIOSE?

Sim!

De forma geral após a gravidez muitas mulheres ficam com sua postura pior. Essa postura inclusive piora no pós-parto com os cuidados com o bebê.

Muitas mulheres se não tem dor nas costas na gravidez, podem tê-las após a gravidez. Há aumento de risco de hérnias de disco.

Principalmente no terceiro trimestre, você deve ter mais cuidado com suas costas e postura.

Por causa dos hormônios liberados durante a gravidez, os ligamentos são naturalmente mais relaxados. Isso pode levar ao aumento dos ângulos do desvio e a dor nas costas, quadril ou perna podem aparecer.

Para aquelas que tiveram cirurgia de fusão espinhal, dor nas costas de longo prazo e diminuição da satisfação com a cirurgia são comuns após a gravidez.

IMPORTÂNCIA DOS EXERCÍCIOS PARA GESTANTES COM ESCOLIOSE

 

A prática de exercícios especializados e direcionados para o fortalecimento das costas, barriga e períneo ajudam a evitar essa dor nas costas e no quadril durante a gravidez.

 

Essa dica e orientação é porque naturalmente na gravidez sua postura irá mudar. E com essas alterações posturais seus músculos serão sobrecarregados. Eles trabalharão da forma que nunca trabalharam. E precisam estar APTOS para isso!

Os desvios posturais de forma geral – tanto a escoliose quanto a cifose ou hiperlordose – aumentam a chance de dores nas costas e no quadril (que como visto acima já são bem comuns na gravidez).

Esse seria o “principal risco para a gravidez”.

 

Uma dor não controlada pode aumentar a possibilidade do uso de medicamentos e então ela se tornar crônica e te levar ao repouso antes do final da gravidez.

 

Todos os desvios posturais também aumentam o risco de ter diástase abdominal (veja #diastaseabdominalbygizelemonteiro ).

A diástase pode:

  • aumentar a chance de você ter dores nas costas na gravidez e depois
  • deixar a estética da sua barriga comprometida – flácida e estufada
  • aumentar o risco de escapes de xixi – conhecida como incontinência urinária

 

Que programa você pode fazer?

Aluna do programa online Gravidez em Forma

O programa online Gravidez em Forma foi elaborado considerando todos esses cuidados que você precisa, com exercícios posturais, seguros e que irão te ajudar a controlar o peso, evitar dores, evitar a diástase e escapes de xixi.

O que você faz durante a gravidez, contribui com seu bem estar e disposição tanto na gravidez quanto no pós-parto. Esses cuidados também aceleram a volta do seu corpo.

 

 

DEPOIMENTO da minha aluna – Claudia – São Paulo:
“Gi … ganho de peso ok, não sinto dores na coluna.
Em função da minha escoliose severa, fiz uma artrodese que me “presenteou” com 30 parafusos.
Meu médico sempre foi muito otimista sobre engravidar apesar da escoliose. A grande recomendação dele sempre foi controlar o peso, porque isso sim poderia me causar muitas dores.
Uma benção seu programa! Grande beijo”

 

 

Então … agora é com você!

O programa Gravidez em Forma pode te ajudar em todos esses passos!

Quer saber mais ? Então CLIQUE no botão abaixo !

 

 

Seja ativa! Bons treinos!

 

Exercícios no primeiro trimestre de gravidez

Exercícios no primeiro trimestre de gravidez sempre são considerados pela grande maioria das mulheres algo perigoso. Ainda existe o medo da perda e a dúvida se o exercício realmente é benéfico nesse momento.

 

Preparei esse vídeo no meu canal do YouTube para explicar alguns cuidados e orientações sobre exercícios no primeiro trimestre se você estiver sedentária ou se você for treinada.

 

Assista o vídeo

Aproveite e inscreva-se no meu canal para ficar por dentro de todos os vídeos que eu fizer!

 

Duração e quantas vezes na semana para fazer exercícios?

A duração dos exercícios pode variar de acordo com o nível de condicionamento anterior da mulher:

  • para sedentárias – de 30 a 45 minutos – de 2 a 3 vezes na semana
  • para treinadas – de 45 a 60 minutos – 3 a 5 vezes por semana

 

Intensidade do Exercício:

Independente do nível de condicionamento, sempre a intensidade deve ser de leve a moderada. No entanto,  o que é leve para a treinada será obviamente muito intenso para a sedentária. Isso significa que essa intensidade leve a moderada será de acordo com o nível de condicionamento anterior dela.

Atividades intensas, como os famosos programas de HIIT – treinos intervalados não devem ser praticados na gravidez, mesmo por mulheres treinadas. Isso por que além da grande alternância de movimentos, a FC de exercício poderá levar o bebê a uma FC não estável e também com grandes oscilações, podendo apresentar quadros de taquicardia sevara.

Outros exercícios como os de alto impacto – como corridas, modalidades esportivas – devem ser modificados ou excluídos desde o primeiro trimestre pelo risco de queda ou dificuldade em estabilizar a intensidade.

A FC materna sempre deve ser controlada. Controlando a sua frequência, a do seu bebê estará controlada!

Agora, vá até seu médico e aguarde a liberação!

 

Sobre o Gravidez em Forma:

O programa Gravidez em Forma é um programa especializado que idealizei para que você tenha segurança no seu início ou continuidade dos exercícios durante a gravidez. Elaborado de acordo com todas as recomendações internacionais, ele muda a cada mês para atender suas necessidades de mudanças do corpo.

Além de você ter esse programa durante toda a gravidez, você pode ter tudo o que precisa fazer para voltar de maneira saudável a sua forma depois da gravidez.

Então são 2 programas no mesmo portal!

Para conhecer … clique no botão abaixo!

 

O exercício pode prejudicar a amamentação?

Será que a amamentação pode ser prejudicada pelo exercício?

Uma das maiores dúvidas, principalmente das mamães de primeira viagem é saber “se” e “como” podem voltar a prática de exercícios sem prejudicar a amamentação.

A resposta é SIM … PODEM … mas é importante entender que esses exercícios tem que seguir algumas regras. A orientação é que o programa de exercícios seja especializado para esse momento.

Não se deve voltar a rotina tradicional.

Temos a linha das mamães que tem esse medo, do leite secar, diminuir ou atrapalhar a produção e volume do leite, mas também temos a linha daquelas que voltam e depois tem alguma mudança e acabam decidindo parar o exercício por não saber o que fazer.

Como especialista quando elaborei meu programa ou quando oriento alguma mamãe, essa é a primeira coisa que penso e e me preocupo. Por isso não só a intensidade do programa é controlada mas também a duração dele principalmente nos aeróbicos.

Ainda nessa questão tempo … nessa linha não adianta buscar esses programas rápidos (por achar que então pouco tempo é melhor), mas por eles serem HIITs, são intensos … percebe?!

“A relação deve ser tempo e intensidade”.


Um detalhe importante que quero ressaltar e que poucos dão importância é que …

“Não só o exercício inadequado pode prejudicar a amamentação, MAS TAMBÉM O CORPO DA MULHER. QUALQUER EXERCÍCIO ORIENTADO DE FORMA INCORRETA pode prejudicar a amamentação e provocar lesões.”

O retorno sempre deve ser gradativo!

Durante a gravidez ocorreram muitas alterações no seu corpo e então o retorno gradual ao exercício deve ser essencial para readaptar o corpo, recuperar a força dos músculos da barriga, postura e também o períneo.

Diante desse quadro, voltemos a nossa questão. O programa deve dosar o exercício numa intensidade e tempos adequados para que toda a fisiologia do corpo da mulher não interfira na produção de leite.

A produção de leite consome muita energia. Uma mãe em fase de amamentação produz entre 800 e 1200 ml de leite por dia e, para cada litro de leite que a mãe produz, há um gasto entre 500 e 700 (pode ser maior para algumas) calorias em média.

Portanto se o “exercício for intenso ou por tempo prolongado – principalmente o aeróbico” e a mulher tiver uma alimentação inadequada, poderá prejudicar a amamentação, pelo alto gasto energético que ocorre nesse período. Além do exercício e da alimentação inadequada, a HIDRATAÇÃO também será fundamental. Uma hidratação inadequada também poderá comprometer a amamentação. Claro! Vamos entender?!

“Leite é água e se você estiver desidratada pelo exercício ou por não beber a quantidade adequada de água, terá seu leite reduzido”!

Como comentei anteriormente um ponto importante e que pode interferir é a própria intensidade do exercício !

As pesquisas relacionadas a amamentação e exercício observam um aumento de ácido lático no leite materno. Esse aumento relaciona-se proporcionalmente com a intensidade do exercício, isto é, quanto mais intenso mais ácido lático no leite. A grande discussão dos estudos era descobrir se esse ácido lático poderia modificar o sabor do leite e dessa forma o bebê passaria a não aceitá-lo, sendo então que de forma indireta o exercício estaria interferindo na aceitação do bebê ao leite após o exercício pela mudança no sabor deste.

E alguns autores observaram SIM essa resposta!

Esses estudos e autores mostraram haver uma diferença na aceitação do leite pelo bebê em mães que realizaram “exercício máximo”, isto é, INTENSO, sendo o mesmo associado ao aumento da concentração de ácido lático.

“Porém deixo claro que os estudos com exercícios nas intensidades adequadas NÃO mostraram efeitos NEGATIVOS sobre a amamentação”.

  • Então concluindo:

Quando você treina, seu organismo produz ácido lático e este ácido poderia modificar o sabor do leite, fazendo com que o bebê rejeite o “peito”. Se o bebê não mama, seu corpo não tem estímulo para produzir mais leite. A produção de leite ocorre por esse estímulo do bebê mamando. Ele não mamando, não há mais produção, o leite realmente pode “secar”, ou melhor, deixar de ser produzido.

(Imagem do site – Baby Center) ->

Exercícios bem orientados têm esse efeito que pode ser negativo?

Não !

 

O QUE OS ESTUDOS DIZEM SOBRE AMAMENTAÇÃO E EXERCÍCIO?

Um estudo de revisão dos autores Cary & Quinn (2001) concluíram que nos estudos até a data analisada, o exercício e amamentação eram atividades compatíveis, não mostrando efeito prejudicial do exercício durante a lactação – não afetando a composição, o volume do leite, o crescimento e desenvolvimento infantil, ou a saúde materna. O exercício também teria um efeito muito importante na melhora da condição física – principalmente a cardíaca – materna, na sensação de bem-estar e disposição quando compararam lactantes ativas com mulheres sedentárias (mães ativas que amamentam X mães sedentárias que amamentam).

  • Como voltar ao exercício?

O correto é que você volte a prática de exercícios com um programa especializado – CLIQUE AQUI PARA CONHECER – que seja adequado nessa intensidade, duração e que também “prepare seu corpo para a volta gradativa das suas antigas atividade e intensidades”, respeitando os limites de recuperação do corpo … por ex: a barriga (core), postura e o períneo.

A sessão de treino deve ter intensidade adequada para não ultrapassar limites fisiológicos (formando muito ácido lático) e correr o risco de comprometer a amamentação, e também pelo exercício intenso ou prolongado  poder comprometer suas articulações soltas e ainda com os efeitos hormonais.

<< Clique aqui e conheça o programa Mães em Forma – especializado do pós-parto até anos depois da gravidez >>

  • Outros cuidados importantes para amamentação – cuidado com as mamas:

As mamas durante a gravidez ficam maiores e mais pesadas e se mantém assim no período pós-parto durante toda a fase de amamentação.

Principalmente mulheres muito ativas ou atletas que realizam atividades de impacto, como corrida, certifique-se de que eles estejam bem firmes. Coloque dois tops ou um suporte mais adequado para preservar.

Você pode também programar os exercícios depois da amamentação, pois assim estará com as mamas mais vazias. Treinar com elas cheias fica desconfortável.

 

Referências Bibliográficas sobre o tema:

Wallace, JP, Rabin, J. Int J Sp Med. 12 (3) :328-31, 1991. The concentration of lactic acid in breast milk following maximal exercise. Int J Sports Med. 12(3):328-31, 1991.

Wallace, JP, Inbar, G, Ernsthausen, K. Infant acceptance of postexercise breast milk. Pediatrics.89(6 Pt 2): 1245-7, 1992.

Gale B. Carey, Timothy J. Quinn, Susan E. Goodwin. Breast milk composition after exercise of different intensities. J Hum Lact. 13(2): 115-20, 1997.

Quinn, TJ, Carey, GB. Does exercise intensity or diet influence lactic accumulation in breast milk?Med Sci Sp Exerc. 31(1):105-10, 1999.

Cary GB, Quinn TJ. Exercise and lactation: are they compatible? Can Appl Physiol. 26(1):55-75, 2001.

Wright KS, Quinn TJ, Carey GB. Infant acceptance of breast milk after maternal exercise. Pediatrics. 109(4):585-9, 2002.

Su, D, Zhao, Y, Binns, C, Scott, J, Oddy, W. Breast-feeding mothers can exercise: results of a cohort study. Public Health Nutrition. 10(10):1089-1093, 2007.

Emagrecimento Pós Gravidez

O Emagrecimento após gravidez tem etapas importantes para ser conquistado, no entanto deve respeitar alguns pontos importantes.

 

EMAGRECIMENTO X AMAMENTAÇÃO X EXERCÍCIO

O exercício ou uma alimentação conduzidos para o emagrecimento devem respeitar em primeiro lugar a amamentação, juntamente com todas as alterações que ocorreram no seu corpo durante a gravidez.

Todas nós sabemos o quanto fazer exercícios é bom para a saúde. Sabemos que o exercício tem benefícios para todo o organismo.

Também do lado da alimentação deve existir um cuidado importante, afinal o que você come será a qualidade ou não do seu leite. O leite é produzido a partir da sua ingestão de alimentos. E por isso uma alimentação saudável é essencial.

O emagrecimento promove uma melhora da sua auto-estima e o exercício também de forma indireta e por ações fisiológicas-hormonais também. Então além dos benefícios sobre o corpo, um dos que acho mais fantásticos é essa melhora da auto-estima.

Como o exercício faz bem nesse ponto! É praticamente automático quando você começa a ver os resultados.

Vejo isso todos os dias nas minhas alunas isso acontecendo.

 

Muitas pessoas acham que para entrar e voltar a forma precisa de grandes sacrifícios, mas isso não é verdade!

Você precisa apenas das informações certas para seguir saudável e do programa especializado que te conduza em segurança para cuidar da volta da sua barriga e do seu corpo.

“Eu gravei esse vídeo para o meu canal do YouTube onde compartilho 3 motivos pelos quais seu corpo não volta e você não emagrece.”

Assista e entenda como é possível …

3 COISAS QUE TE IMPEDEM DE EMAGRECER DEPOIS DA GRAVIDEZ

 

Tenho também uma outra dica para você ter um emagrecimento saudável e seguro:

 

  • Dica 1. Programa de exercícios especializados

O programa Pós-parto – Mães em Forma poderá te ajudar com todos os passos e exercícios especializados para seu emagrecimento e a volta do seu corpo.

O programa tem circuitos especializados que são verdadeiros “QUEIMADORES DE GORDURA” e te ajudarão nesse emagrecimento. Além disso o programa tem séries especiais para a volta da sua barriga e recuperação da diástase.

A diástase é uma sequela comum que é muito confundida inclusive com gordura localizada.

Muitas das minhas alunas gastaram muito $$$$$ com vários tipos de tratamentos para queimar a gordura localizada e melhorar a flacidez da barriga, mas a verdade é que sua barriga fica assim por causa da fraqueza muscular extrema e da diástase. E NENHUM DESSES TRATAMENTOS PRA GORDURA MELHORAM A DIÁSTASE … resumindo … você joga dinheiro fora.

Então dá uma olhada no que preparei pra você nesse programa incrível !!

Clique no botão abaixo e saiba mais sobre o programa!

 

 

Intensidade do exercício na Gravidez e cuidados com o coração

Intensidade do Exercício na Gravidez e cuidados com o coração ⚠♥ 
.
Todo o corpo da gestante está numa mudanças incrível, mas o coração … é o que mais sofre mudanças para suportar toda a quantidade de sangue que estará circulando no seu corpo.

Durante a gravidez o coração se adapta dia a dia ao aumento de sangue que é necessário para suprir seu corpo e do seu bebê.

Isso acontece desde o início e aumenta até chegar ao ápice no final dá gestação.

Por causa dessas mudanças e do intenso volume de sangue, equilibrar o exercício é um ponto muito importante para o equilíbrio mamãe-bebê.

 

  • INTENSIDADE DO EXERCÍCIO

O exercício não deve sobrecarregar esse coração em mudanças e a fisiologia cardio-circulatória para que haja suprimento adequado para o bebê, afinal o sistema materno-fetal é totalmente integrado.

Por isso, praticar exercícios intensos está “totalmente fora de questão!!

 

O Exercício materno não é modismo!

É saúde e deve respeitar as novas necessidades e demandas do conjunto materno-fetal!

A intensidade recomendada por autoridades internacionais é de “leve a moderada”.

…………….

A intensidade LEVE para uma SEDENTÁRIA é diferente do leve para uma TREINADA.

Mas isso “não significa” que a treinada também não deva seguir a recomendação de reduzir a intensidade.

Se você é treinada deve “reduzir carga” – tanto volume quanto intensidade – para que essa se ajuste para a recomendação.

Para ter o controle do exercício, a Frequência cardíaca deve

PROGRAMA ONLINE DE EXERCÍCIOS – DA GRAVIDEZ AO PÓS-PARTO

O programa online gravidez em Forma respeita cada critério de segurança para você e seu bebê que autoridades e pesquisas estabelecem como diretrizes.

Essa seleção segura de exercícios traz justamente a segurança e equilíbrio fisiológico do seu corpo.
.

Você pode conhecer mais o programa acessando e cadastrando-se na HOME do site do programa … www.gravidezemforma.com.br 

Esse programa tem sua prescrição até o pós-parto já pensando na intensidade de exercício também correta para esse momento. Muitos médicos não permitem a prática de exercícios depois por medo de ter uma interferência na amamentação.

Mas além da amamentação, da mesma forma que a fisiologia do seu coração na gravidez precisa ser respeitado, no pós-parto também.

As alterações cardíacas podem levar até 1 anos para serem recuperadas.

Por isso treino de forma segura e certa por toda sua gravidez e também no pós-parto.

Clique no botão abaixo para conhecer mais do programa.

 

Amamentação e exercício – o exercício pode secar o leite?

Pergunta e preocupação comuns nas mamães … A amamentação pode ser comprometida com o exercício? O exercício pode secar o leite?

Também existem muitos médicos que orientam suas pacientes a não praticarem exercícios ou alguns tipos de exercícios com medo disso acontecer,
Quero explicar aqui nesse artigo alguns pontos para deixar as mamães tranquilas, sem medo de voltar ou iniciar seus exercícios.

 

 

COMO E QUANDO DEVE SER FEITA A VOLTA AOS EXERCÍCIOS?

O retorno ao exercício após a gravidez sempre deve ser gradativo. Existem vários pontos a serem observados. O primeiro claro é se o volume de leite não é o acompanhamento se a quantidade de leite não está sendo alterada e tomar os devidos cuidados com a intensidade do exercício e a hidratação.

Vou pontuar tudo, mas antes quero fazer algumas observações que vão além da amamentação … Na gravidez ocorreram muitas alterações corporais – coração, vasos sanguíneos, articulações, postura – e essas permanecem durante um bom tempo depois do parto.

Por isso o retorno ao exercício deve sempre ser gradativo e especializado. Esse programa deve respeitar além da amamentação as mudanças do organismo feminino – coração, vasos sanguíneos, articulações, postura.

Um programa especializado tem os cuidados necessários com cada ponto desses. Veja o programa online pós-parto – mães em forma, desenvolvido para que você tenha todos esses cuidados na sua volta ou início dos exercícios.

Clique aqui para saber mais !

 

 

 

Qualquer atividade intensa pode prejudicar não só a amamentação, mas também o corpo da mulher.

A produção de leite consome muita energia. Uma mãe em fase de amamentação produz entre 800 e 1200 ml de leite por dia e, para cada litro de leite que a mãe produz, há um gasto de 900 calorias em média.

Portanto se o “exercício for intenso ou num volume elevado” e a mulher tiver uma ingestão alimentar inadequada poderá prejudicar a produção de leite (e dessa forma prejudicar a amamentação), pelo alto gasto energético que ocorre nesse período. Além do exercício e da ingestão alimentar inadequada, uma hidratação inadequada também poderá comprometer a amamentação.

 

PESQUISAS E CONFIRMAÇÕES – AMAMENTAÇÃO E EXERCÍCIO:

As pesquisas relacionadas a amamentação e exercício observam um aumento de ácido lático no leite materno. Esse aumento relaciona-se com a intensidade do exercício, isto é, quanto mais intenso mais ácido lático haverá no leite. A grande discussão era que esse ácido lático poderia modificar o sabor do leite e dessa forma o bebê passaria a não aceitá-lo, sendo então que de forma indireta o exercício estaria interferindo na aceitação do leite pelo bebê após o exercício pela mudança no sabor deste.

Alguns autores observaram essa resposta, havendo uma menor aceitação do leite em mães que realizaram “exercício intenso“, sendo o mesmo associado ao aumento da concentração de ácido lático. Os estudos com intensidades adequadas “não mostraram efeitos negativos” sobre a amamentação.

Outro estudo conclui que o “exercício e amamentação” são compatíveis, sendo que dos vários estudos analisados pelos autores, os mesmos não tiveram efeito prejudicial sobre a amamentação – todos esses estudos usando exercício leve-moderado durante a  amamentação. Esses não afetaram a composição do leite, o volume do leite, o crescimento e desenvolvimento infantil, ou a saúde materna (Cary & Quinn, 2001).

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO PARA A MAMÃE:

O exercício feito de forma consciente e correta tem um efeito muito importante na melhora da sua condição física (aptidão cardiovascular nas lactantes) e na sensação de bem-estar. Esses resultados forma vistos quando compararam as mamães que amamentavam e eram ativas com as que eram sedentárias.

CONCLUSÃO:

Quando você treina, seu corpo produz ácido lático e este ácido pode modificar o sabor do leite. Isso pode fazer com que seu bebê rejeite o “peito”. Se o bebê não mama, o organismo não tem estímulo para produzir mais leite. Não havendo mais produção, o leite realmente pode “secar”, ou melhor, deixar de ser produzido.

O correto então é ter um treino organizado para isso não acontecer. A intensidade e o volume devem ser corretos a e não deve ser ultrapassadas não sejam ultrapassadas, não só pelo aspecto da amamentação, mas também pelo exercício intenso ou em grande volume poder comprometer a amamentação e seu corpo com lesões.

 

 

SOBRE O PROGRAMA:

Conheça o programa Pós-parto – Mães em Forma – esse programa está totalmente adaptado para que você tenha toda a segurança para sua volta. Muitas mulheres querem perder peso de forma segura ou então acabar com a barriga que fica como se você ainda estivesse grávida.

O sonho de voltar novamente a usar a calça jeans é possível, colocar novamente o biquíni e curtir a praia.

Então clique na imagem para conhecer o programa que te deixará em forma de maneira segura!

 

 

Cuidados importantes no exercício:

 As mamas no período de amamentação estarão bem maiores e pesadas e isso poderá incomodar

 Certifique-se de que as mamas estejam bem firmes -> talvez seja necessário usar dois tops ou um suporte mais adequado

 

 

Referências Bibliográficas
Wallace, JP, Inbar, G, Ernsthausen, K. Infant acceptance of postexercise breast milk. Pediatrics. 89(6 Pt 2): 1245-7, 1992.

Gale B. Carey, Timothy J. Quinn, Susan E. Goodwin. Breast milk composition after exercise of different intensities. J Hum Lact. 13(2): 115-20, 1997.

Quinn, TJ, Carey, GB. Does exercise intensity or diet influence lactic accumulation in breast milkMed Sci Sports Exerc. 31(1):105-10, 1999.

Cary GB, Quinn TJ. Exercise and lactation: are they compatible. ? Can J Appl Physiol. 26(1):55-75, 2001.

Wright KS, Quinn TJ, Carey GB. Infant acceptance of breast milk after maternal exercise. Pediatrics. 109(4):585-9, 2002.

Su, D, Zhao, Y, Binns, C, Scott, J, Oddy, W. Breast-feeding mothers can exercise: results of a cohort study. Public Health Nutrition. 10(10):1089-1093, 2007.